O Clips da Lua

O Clips da Lua Capa

O Clips da Lua

Há algum tempo tenho ido a um bar em Curitiba.

Ali encontro figuras animadas e com riquíssimas memórias das várias características da urbe, capital paranaense.

Cada mancebo frequentador tem uma infinidade de histórias e estórias fabulosas.

Bar é descontração onde se ri muito e desopila-se o fígado!

Até dá pra tomar mais uma com moderação!

Existe apenas um garçom que atende por “Alemão”.

Nem é preciso dizer que é um “negão” simpático e cheio de sacadas bem humoradas… Além das “pegadinhas” que prepara todos os dias para “sacanear” os novos frequentadores.

Muitas vezes pega até mesmo os frequentadores mais antigos por causa da memória de alguns mais idosos!

Todos se divertem muito!

O alemão é uma figura que circula ouvindo tudo que falam nas mesas disformes do “boteco” e é invólucro da liberdade do pensar.

O Clips da Lua 1

Ele pediu que fosse postada uma foto onde aparecesse o fundo de opções das bebidas do Stuart.

Vá lá então:

O Clips da Lua 2

Tem “pinga” e adstringentes pra dar de pau!

O responsável pelo meu reencontro com esse lugar de magias no centro de Curitiba foi o amigo Antonio Carlos Coelho.

O Clips da Lua 3

Eu e o Coelho por ocasião de um almoço no restaurante e bar Texas Grill.

Andando pela região central mais miscigenada da cidade, encontramos todos os tipos de gente.

Pobres e ricos!

Pedintes e doadores!

Até uma Fontana existe naquela praça.

Fui apresentado ao José Trindade… Ou apenas Zezinho!

Outras alcunhas também o identificam, como Sereno por exemplo.

O Clips da Lua 4

Passeando e proseando eu fui ciceroneado pelo mito Zé Trindade.

Abaixo, na foto, Jorge e Zé Trindade no primeiro plano.

No trio do segundo plano nós vemos o Ernani, o Coelho e eu em pé.

A foto foi tirada pelo Nelson Ferri, proprietário do Bar Stuart.

Que turma boa!

O Clips da Lua 5

Voltando ao “papo” do alemão, quando passa alguma moça mais ousada no vestir, ele sempre faz um som para chamar a atenção dos mancebos frequentadores do bar:

Psssss! Psssssssss!

Todos voltam os olhares para a calçada!

Um dia eu perguntei se ele estava triste ou cansado.

Sua fisionomia era de pensativo e observador.

Ele respondeu:

Ontem eu espetei 60 quilos de carne!

Perguntei:

Onde foi o churrasco?

A resposta veio imediata:

Que churrasco cara?

Minha mulher pesa 60 quilos!

Hehehe!

Pegadinhas constantes na postura de um bom garçom que sabe fazer rir os clientes.

Afinal, rir é o melhor remédio.

Assim o tempo passa e a descontração faz do lugar um grande laboratório de psicanálise.

Outro dia cheguei ao bar e logo o alemão me perguntou se eu tinha visto o eclipse da lua ontem!
Perguntei:

Pô alemão!

Tá de sacanagem comigo?
Em um segundo veio à prova!
O alemão do bar do Stuart trouxe O Clips da Lua!

O Clips da Lua 6

Daí…

Fica um velho provérbio escocês:

Nunca confie num homem que não bebe!

 

Rapto das Sabinas

Rapto das Sabinas CAPA

Rapto das Sabinas

Episódio lendário da história de Roma em que a primeira geração de homens romanos teria obtido esposas para si através do rapto das filhas das famílias sabinas vizinhas.

Os Sabinos habitavam as colinas próximas a Roma, no Lácio, a oeste dos Apeninos, ocupando toda a ribeira leste do Rio Nera e de ambos os lados do Velino, até chegar ao Tibre e o Aniene (Ânio) no sul, abrangendo as atuais regiões do Lácio, Úmbria e Abruzos.

Atualmente a área chamada Sabina constitui uma sub-região do Lácio, a leste de Roma, perto de Reate.

Rapto das Sabinas 1

Quando estive em Firenze – Itália, fotografei a escultura da capa dessa lavra.

Pesquisando, encontrei o autor da obra de arte.

Giovanni Bologna. Auto-retrato.

Rapto das Sabinas 2

Giambologna, nascido como Jean Boulogne (também conhecido como Giovanni da Bologna e Giovanni Bologna), foi um escultor maneirista.

Nasceu em Douai, Flandres (hoje na França), em 1529, e faleceu em Florença em 13 de agosto de 1608.

O rapto teria acontecido no início da história de Roma, logo após sua fundação por Rômulo e seus seguidores, em sua maior parte homens.

À procura de esposas com quem pudessem formar famílias, os romanos negociaram, sem sucesso, com os sabinos, que haviam povoado a região anteriormente.

Temendo o surgimento de uma sociedade rival, os sabinos recusaram-se a permitir que suas mulheres se casassem com os romanos; estes tiveram então a ideia de raptar as mulheres sabinas.

Rômulo inventou então um festival em homenagem a Netuno Equestre, e proclamou-o aos povos vizinhos de Roma.

De acordo com Lívio, muitos habitantes destes povoados vizinhos compareceram ao festival, incluindo os ceninenses, os crustumerinos e os antemnos, bem como muitos dos sabinos.

Durante o festival Rômulo deu um sinal, indicando a seus conterrâneos que era hora de capturar as mulheres sabinas, o que eles fizeram, enquanto combatiam os homens.

Após o rapto as mulheres, indignadas, logo se viram diante de um Rômulo que lhes suplicava que aceitassem os romanos como seus maridos.

Lívio é claro em afirmar que não houve abuso sexual da parte dos romanos; pelo contrário, Rômulo ofereceu-lhes liberdade de escolha, prometendo-lhes direitos civis e de propriedade.

Ainda de acordo com Lívio, ele teria pessoalmente ido a cada uma delas “e indicado a elas que tudo aquilo era culpa de seus pais, que haviam negado a elas o direito de casar-se com seus vizinhos”.

Elas viveriam em uniões matrimoniais dignas, e partilhariam de todos os direitos civis e de propriedade, bem como – o mais precioso à natureza humana – seriam mães de homens livres. Wikipédia.

Já nos tempos atuais, precisamente no Brasil, a história sobre os enlaces sexuais não representa nada de nobre.

Políticos e empresários são acusados de pagar por programas com menores.

Em bairro pobre de Manaus, meninas são aliciadas para participarem do esquema.

Elas foram seduzidas para essa vida e receberam instruções bem detalhadas dos agenciadores para se transformar em garotas de programa.

Elas devem sofrer bem mais que as “sabinas”!

Aqui o Rapto das Sabinas não é, seguramente, para contrair matrimônios!

É triste essa realidade brasileira.

As nossas “sabinas” possuem um sonho cor de rosa, de princesa.

Querem ser famosas, capas de revistas e ter dinheiro, mas não queriam fazer sexo com os clientes!

Rapto das Sabinas 3

Rapto das Sabinas 4

A Prostituição infantil no Brasil, fruto amargo da Copa do Mundo 2014.

Postado por: Ton Müller em Verdade Mundial.

Há vários meses uma enorme quantidade de trabalhadores, em todo o Brasil, começou a chegar ao país para trabalhar na construção dos estádios, ficando em favelas próximas nas maiores cidades.

Mas, com o aumento do emprego também veio à explosão da prostituição infantil.

Autoridades brasileiras investem milhões de dólares na Copa do Mundo, o que é esperado para ser o mais espetacular na história do campeonato, algo que fez sindicatos do crime também se preparar muito bem para aproveitar o evento esportivo.

Segundo informações do portal News.com, relatórios das agências, clãs de mafiosos internacionais estão planejando uma onda de prostituição infantil organizada em torno dos estádios em mais de uma dúzia de cidades no Brasil, a partir da capital, Brasília, para o Rio de Janeiro, onde os fãs de futebol se reunirão durante seis semanas intensas.

Se uma nunca tem sorriso

É pra melhor se reservar

E diz que espera o paraíso

E a hora de desabafar

A vida é feita de um rosário

Que custa tanto a se acabar

Por isso às vezes ela para

E senta um pouco pra chorar

Que dia! Nossa, pra que tanta conta…

Já perdi a conta de tanto rezar

Quem sabe…

A última flor do Lácio?

Triste realidade!

Mãe… Amor e Dor…

Mãe... Amor e Dor... CAPA

Mãe… Amor e Dor…

Olhei para os olhinhos lacrimejantes da minha mulher e perguntei:

Você está chorando?

Respondeu com a vozinha embargada:

Nada não!

Só estou compartilhando uma mensagem aqui no computador!

Minha sogra havia falecido há apenas alguns dias.

Levantei e fui ver o que era…

Claro que choramos juntos mais uma vez!

Pensei…

Mãe… Amor e Dor…

A mensagem era essa:

Mãe... Amor e Dor... 1

Bom…

Agora que estanquei um pouco o fluxo lacrimal, vou ver se consigo escrever o artigo até o fim.

Na verdade não existe um “fim”.

Existe uma “transição”.

Quando a mãe dá a luz, parece que o Universo grita “Fiat Lux” (Faça-se a Luz)!

Em minha lavra lembrei-me da larva!

O Nascimento da Borboleta ou Ciclo de Vida da Borboleta é dividido em várias fases, tudo começa com o acasalamento entre a Borboleta macho e a Borboleta fêmea, passando pelo ovo que é colocado pela Borboleta fêmea, do ovo nasce uma lagarta, depois de crescer e alimentar a lagarta se transforma em pupa, da pupa nasce a Borboleta adulta e assim começa novamente o Ciclo de Vida da Borboleta com o acasalamento entre a Borboleta macho e a Borboleta fêmea.

Ufa!

Ainda bem que tem macho e fêmea.

Mãe... Amor e Dor... 2

Homenagear a mãe apenas no seu dia me pareceu um pouco piegas.

Mãe a gente deve homenagear todos os dias.

Qualquer hora ela poderá não estar mais aqui conosco.

Mas não é só por isso.

É porque Mãe é Mãe!

Um dia desses publiquei uma brincadeirinha numa rede social falando das minhas duas mães:

Mãe... Amor e Dor... 3

A que aparece em primeiro plano é minha sogra.

Minha segunda mãe, hoje em algum lugar do Universo!

Hoje escrevo para todas as mães.

Em especial para Débora e Bina.

Que sorte a minha!

É comum as pessoas dizerem:

“Tá pensando que aqui é a casa da mãe Joana?”.

Poucos sabem do que se trata.

Eu sempre brincava com a Bina sobre montar uma “casa de quengas”.

Riamos muito.

De acordo com Reinaldo Pimenta, professor de língua portuguesa, a expressão popular surgiu no século XIV a partir das desventuras de uma Joana que, de rainha, passou a ser fugitiva.

Segundo descreve Pimenta, em seu livro Casa da mãe Joana, Joana I era a rainha de Nápoles e considerada a protetora cultural de poetas e intelectuais por causa de sua beleza e inteligência.

Ela se casou com seu primo Andrew, irmão de Luís I, rei da Hungria.

Algum tempo depois, Andrew foi assassinado em uma conspiração que, de acordo com a obra, teve a participação da própria Joana.

Enfurecido, o irmão da vítima resolveu invadir Nápoles em 1348 perseguindo Joana, que se viu obrigada a fugir para a localidade de Avignon, na França.

Uma vez instalada em um palácio que já havia sido a moradia de sete papas, Joana passou a mandar e desmandar na cidade.

Tanto que resolveu regulamentar os bordéis de Avignon, determinando que cada estabelecimento deveria ter uma porta por onde qualquer pessoa poderia entrar.

A partir disso, cada bordel ficou conhecido como “Paço da Mãe Joana”, considerada a dona da cidade.

Mais tarde, Joana vendeu a cidade com a condição de ser declarada inocente de participação na morte do ex-marido.

Em 1382, Joana foi assassinada por seu sobrinho e herdeiro, Carlos de Anjou.

No Brasil, a palavra “paço” foi modificada para um formato mais popular, “casa”, gerando a expressão como é conhecida até hoje:

“Casa-da-mãe-Joana”. Redação Terra.

Mãe... Amor e Dor... 4

Realmente, nesse mundão tem lugar para todas as mães…

Aqui no Brasil tem até mãe que nasce analfabeta!

Mas vamos falar da essência sublime que é essa figura responsável pela continuidade da espécie humana.

Linda!

Mulher!

Criação divina do Grande Arquiteto do Universo.

Dá-nos vida e nos protege até o infinito.

Alimenta-nos de “guti-guti” (comidinha na boca) e orienta nossos passos.

Chora e ri junto conosco, como numa simbiose de amor e dor.

Sofre junto.

Alegra-se também.

Mesmo ela, quando nasce, estupora a “casca do ovo” para em seguida dar vida aos pulmões…

Chorando.

Ninguém nasce sorrindo.

Primeiro chora para depois sorrir.

O amor vem após a dor.

Salomão em sua infinita sabedoria fez justiça à verdadeira mãe.

Apresentaram-se duas mulheres a Salomão.

Uma disse:

Senhor, eu e esta mulher habitávamos a mesma casa. Durante a noite, estando a dormir, sufocou o filho e, aproveitando-se do meu sono, pôs o meu filho adormecido junto de si e colocou aos meus pés o seu filho que estava morto. De manhã, olhando de perto para ele, vi que não era o meu filho”.

A outra mulher interrompeu:

“Não, o meu filho é o que está vivo, o teu morreu”.

A primeira replicou:

“Não, o teu é que morreu. O que está vivo é meu”.

E continuaram a disputar.

Então o rei disse:

Trazei uma espada, dividi em duas partes o menino que está vivo e dai metade a cada uma”!

Cheia de amor ao seu filho, à mulher cujo filho estava vivo suplicou:

“Senhor, peço-vos que lhes deis a ela o menino vivo e não o mateis”!

A outra, pelo contrário, dizia:

“Não seja para mim nem para ti, mas divida-se”.

Então Salomão disse:

“Dai a primeira o menino vivo porque é ela a verdadeira mãe”.

É porque Mãe é Mãe!

Mãe... Amor e Dor... 5

Além de Amor e Dor, Mãe também é Humor!

Quando postei a foto acima “Vantagens de ter tido duas mães”, numa rede social, imediatamente foram postos vários comentários.

A Silvia Heller escreveu:

Tô nessa, Marco Antonio Alzamora Gonçalves! E assumo a mãe italiana também”.

“Já a minha mãe, de alma germânica, diria:

Hora de comer, coma”.

Complementando a história das mães italianas e judias:

A mãe alemã…

Coloca a comida no prato do filho e diz:

“Você VAI comer tudo”.

O Nelson Wahrhaftig comentou:

“E a minha, de origem russo/polaca diria:

Leve pulôver, que eu estou com frio”.

Numa sequência bem humorada sobre mães judias, encontramos relatos bem engraçados sobre a forma de relacionamento com seus rebentos.

Vó judia

Uma avó judia está ensinando seu endereço ao neto que vai visitá-la com sua mulher.

– Quando vocês chegarem ao prédio, na porta da frente tem um grande painel. Eu moro no apartamento 301. Aperte o botão 301 com o cotovelo, que eu abro a porta. Entre, o elevador está à direita. Entrem, e aperte o três com o cotovelo. Quando vocês saírem, meu apartamento está à esquerda. Com o cotovelo, aperte a campainha.

– Vó, parece fácil, mas… Por que tenho que apertar todos esses botões com o cotovelo?

– O quê? Vocês estão vindos de mãos vazias?

Duas mães judias se encontram na rua:

– Olá Sarah, como vai? Há quanto tempo!

– Tudo bem Ruth, e você? Realmente faz muuuito tempo… Desde que casei com o Jacob não nos vimos mais!

– Sabe como é a vida de uma mãe… Sempre correndo, sempre fazendo alguma coisa… E, pelo jeito, você também está acompanhada de uma prole muito bonita… Três crianças lindas.

– Obrigada… Aproveitamos o bom tempo para passear…

– Qual a idade das crianças?

– Ah! O advogado já tem três anos e dois meses, a médica acabou de completar dois anos e o engenheiro vai fazer um mês…

Seleções do Reader’s Digest.

Enfim, tem mãe para todo mundo nesse mundão.

A mãe americana encontra uma lata de cerveja na bolsa da filha e pergunta para si mesma:

– Será que minha filha está bebendo?

A mãe italiana encontra um maço de cigarros na bolsa da filha e se questiona:

– Será que minha filha está fumando?

E, como não poderia faltar, a mãe portuguesa encontra uma camisinha na bolsa da filha, e se pergunta:

– Meu Deus! Será que minha filha tem pinto?!

As mães espanholas não ficam atrás das outras. Meu amigo Zeca Fuentes, que não vejo há décadas, morava com a mãe longeva. Sempre que ia tomar banho sua genitora recomendava:

“Zeca, meu filho, não se esqueça de usar aquele sabão liquido que te dei! É bom para a pele!”.

“Zeca faça isso… Não faça aquilo.” E assim por diante. Quando ele contava as histórias sempre concluía com a frase: “Mãe é bom… Mas dura”! Não há quem não tenha escutado a frase:

“Mãe é tudo igual… Só muda o endereço”!

Num excelente artigo escrito por Cecilia Troiano no site VIDA DE EQUILIBRISTA, ela nos conta que leu em um jornal italiano:

Mãe italiana: é a mãe que “choca” os filhos, fica com eles embaixo de suas asas o tempo todo. Tem uma enorme preocupação com alimentação, mais do que outras mães. É afetuosa, protetora e se ocupa quase integralmente deles.

Mãe francesa: é a mãe descontraída, que dá mais liberdades aos filhos, deixando-os mais livres para brincar.  Não fica obcecada e nem cria expectativas exageradas em relação aos filhos. Nada adepta de “junk food”.

Mãe chinesa: é a mãe tigre, proíbe televisão e videogame, impõe aulas de música, preferencialmente de violino e piano. Mantém uma forte pressão em cima dos filhos.

Mãe inglesa: é a mãe silenciosa, passa a maior parte do tempo sem falar muito. Não repete continuamente as ordens e nem confere aos filhos um status especial na família.

Mãe americana: é a mãe neurótica, que tem medo de tudo.  Quer vigiar todos os passos do bebê e é mais liberada na alimentação.

E arremata com muita propriedade:

  “Mãe é tudo igual, mas o endereço faz muita diferença!” (Cecilia Troiano).

Minha homenagem à Mãe americana:

Mãe... Amor e Dor... 6

Minha homenagem à Mãe inglesa:

Mãe... Amor e Dor... 7

Minha homenagem à Mãe chinesa:

Mãe... Amor e Dor... 8

Minha homenagem à Mãe francesa:

Mãe... Amor e Dor... 9

Minha homenagem à Mãe judia:

Mãe... Amor e Dor... 10

Minha homenagem à Mãe italiana:

Mãe... Amor e Dor... 11

Il mio omaggio a tutte le mamme del mondo!

Minha homenagem para todas as mães do mundo!

 

Minha Mística Mãe

Minha Mística Mãe CAPA

Minha Mística Mãe

Ao iniciar esta lavra me dei conta de que estava escrevendo sobre minha mãe.

Logo me veio à cabeça Mario Quintana:

“… Dizem que sou modesto. Pelo contrário, sou tão orgulhoso que acho que nunca escrevi algo à minha altura. Porque poesia é insatisfação, um anseio de auto superação”.

Minha! É relativo!

Mística! Todos nós sabemos o significado!

Mãe! Todos nós nascemos de uma!

Agora, falar sobre o invólucro divino em que você foi concebido…

É vaidade pra dar de pau!

Consequentemente, mergulhamos nas profundezas do egocentrismo e do interesse como mola mestra das nossas boas ações.

Será muito piegas escrever sobre nossa mãe?

Agora a coisa encrencou de vez!

Já num limbo literário, veio à lembrança do meu avô José Alzamora, pai dessa figura mística que é minha mãe e me apareceu, em dimensão mística e cósmica, com um exemplar do livro de Menotti Del Picchia.

Meu avô adorava fazer citações.

Acho que estou incorporando-o!

Em “OBRAS COMPLETAS – CONTOS – 1946”:

“No fundo de cada renuncia há um interesse. Quando um mal se torna bom, sua bondade é um disfarce acidental da sua perfídia: é uma metamorfose meramente formal da maldade assim transmudada pelo interesse. Uma generosidade que se faz mais intensa, um perdão que varre uma culpa, tudo encapota o interesse. Raspe-se a casca de qualquer ação humana que, no fundo, encontra-se o interesse…”.

Purificação

“Deixe que um banho de luz limpe seus pensamentos, sentimentos e ações. Lave o drama que encobre sua natureza primordial”.

Estava escrito em um bilhetinho que retirei do recipiente que minha mãe levou em uma reunião de família.

Há várias décadas, minha mãe e eu, começamos estudar metafísica juntos.

Filiamo-nos à Ordem Rosacruz, AMORC – Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz.

Estudamos e frequentamos as Convocações Ritualísticas.

Fizemos parte das equipes Ritualística e Iniciática.

Como oficiais ritualísticos ela foi Mestre e eu Guardião Interno do Templo.

Mas vamos direto ao motivo que me levou a registrar esse título.

Após ver publicada em rede social a foto da capa, minha lembrança na caminhada da senda mística ficou aguçada.

Com esse doce olhar que penetra o fundo da alma, Debora Tomagnini Alzamora, minha mãe, foi fotografada por meu filho Rodrigo Machado Coelho Alzamora Gonçalves tendo a foto sido editada pela querida ex-cunhada Vera Diaz.

Daí apareceu no cenário uma mística Elena Petrovna Blavatskaya!

Helena Blavatsky ou Madame Blavatsky!

Outro ponto que me despertou atenção é o fato de eu ter nascido em 31 de julho de 1951 no calendário Gregoriano e Madame Blavatsky em 31 de julho de 1831 no calendário Juliano.

Outros rumos de minha mãe e Helena Blavatsky também foram semelhantes.

Personalidade complexa, dinâmica e independente, desde pequena Elena Blavatskaya mostrou possuir um caráter forte e dons psíquicos incomuns, e logo em torno dela se formou um folclore doméstico. Imediatamente após um casamento frustrado, deixou o esposo e partiu em um longo período de viagens por todo o mundo em busca de conhecimento filosófico, espiritual e esotérico, e nesse intervalo alegou ter passado por inúmeras experiências fantásticas, entrado em contato com vários mestres de sabedoria ou mahatmas e deles recebido na condição de discípula um treinamento especial para desenvolver seus poderes paranormais de forma controlada, a fim de que pudesse servir-lhes de instrumento para a instrução do mundo ocidental.

 A partir de 1873 iniciou sua carreira pública nos Estados Unidos, e em pouco tempo se tornou uma figura tão celebrada quanto polêmica.

 Exibiu seus poderes psíquicos para grande número de pessoas, deslumbrando a muitos e despertando o ceticismo em outros, que não raro a acusaram de embuste, muitas vezes com boas evidências para tal. Entretanto, em muitos outros casos seus poderes pareceram autênticos.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Minha Mística Mãe 1

Assim como Blavatsky, Minha Mística Mãe,

Imediatamente após um casamento frustrado, deixou o esposo e partiu em um longo período de viagens por todo o mundo em busca de conhecimento filosófico, espiritual e esotérico…

Fomos para Belo Horizonte e depois Salvador.

Ela percorreu também Israel e sentiu o “sopro cálido” do deserto.

Colocou os pés nas salgadas águas do Mar Morto e… Por um tempo sentiu suas origens judaicas!

Enquanto Minha Mística Mãe e eu aprendemos e exercitamos os ensinamentos místicos para conservação da saúde física e espiritual em nós mesmos e nos outros, recitando silenciosamente:

Ó Poderosa força vital do Universo!

 Alcançai o espírito que está dentro do meu Ser e…

 Renovai a Vida que está dentro do meu Corpo!

A mística Helena Blavatsky ou Madame Blavatsky!

Escreveu:

“Os ramos da árvore são sacudidos pelo vento; o tronco permanece imóvel.”

Minha Mística Mãe 2

Assim termino essa lavra deixando meu eterno amor pela Minha Mística Mãe!

Ó Deus Onipotente e Puro
Luz que Adentras em minh’alma
Ser Imaculado e Santo
Paz que Penetras em mim…

Pela vida Aquele que brota infinito Amor Fecundo
Gera nosso Mundo com o Sublime de Teu Esplendor!

Paz Profunda!

Caminho das Pedras

Caminho das Pedras CAPA

Caminho das Pedras

Não é muito fácil caminhar sobre as pedras.

Mas massageia os pés.

O poeta já dizia:

“Meu caminho é de pedras, como posso sonhar?
Sonho feito de brisa, vento vem terminar!
Vou fechar o meu canto, vou querer me matar…”.

Em minhas caminhadas pelo velho mundo, fui observando pedras.

Viajando pela Itália deparei-me com algumas construções bem características de uma época e região.

Veneza é pura pedra… E água!

Caminho das Pedras 1

Caminho das Pedras 2

Pelos caminhos fui encontrando pedras e mais pedras.

Em Florença, elas também estavam.

Em todo caminho havia pedras.

Caminho das Pedras 3

Lembrei-me de alguns “gaiatos” comentando sobre o avatar de a cristandade andar sobre as águas!

“Pede para nos ensinar o caminho das pedras”!

Milagres existem mesmo?

Acho que sim.

A Natureza em sua forma mais sublime se transforma o tempo todo.

Grãos de areia viram pedras.

A água congelada se transmuta em pedras de gelo.

As montanhas são grandes “pedras” em paisagens das mais variadas!

Em Veneza, com recursos escassos, procurei um gondolieri, dispensando uma limusine aquática e, optando pela individualidade, desviei-me do Vaporetto, principal ônibus aquático da cidade.

Caminho das Pedras 4

Não conhecendo o “Caminho das Pedras” eu fui “andando” sobre as águas.

Caminho aquático emoldurado de pedras!

Caminho das Pedras 5

De repente defrontei-me com Il Ponte dei Sospiri, a famosa ponte veneziana Ponte dos Suspiros.

Embora a polícia não estivesse atrás de mim, lembrei-me do filme “Um Pequeno Romance” com Diane Lane.

Que narra à história de um menino francês e uma garota americana quando iniciam um pequeno namoro.

Enquanto o padrasto está ocupado com negócios e sua mãe fica flertando com um cineasta de 2ª categoria, os dois namoradinhos conhecem um bondoso senhor, que lhes conta fatos extraordinários.

Isto desperta a imaginação do jovem casal, principalmente uma lenda veneziana que afirma se os namorados se beijarem em uma gôndola sob a Ponte dos Suspiros ao entardecer, ao som dos sinos do campanário, vão se amar para sempre.

Como logo ela fica sabendo que irá morar em Houston, o pequeno casal decide ir até Veneza para selar o amor deles.

Já que não podem viajar sozinhos, o velho vai junto para dar cobertura, mas a viagem é pontilhada de contratempos.

Além disto, o desaparecimento das crianças põe a polícia em alerta.

Passou um filme inteiro pela minha cabeça.

Porém, buscando o Caminho das Pedras, refleti sobre a questão dos suspiros.

Aquela ponte não era de suspiros de amor…

Mas de tormento.

Aquela passarela fechada servia de ligação entre o palácio e a prisão dos doges.

Cheguei a ouvir os gemidos de angústia ecoando por todo o canal.

Pensei…

Seria melhor voar!

Buscar o Caminho das Nuvens!

Caminho das Pedras 6

Florença floresceu outra vez!

Pedra carregando Pedra!

Caminho das Pedras 7

Uma pedrinha aqui…

Outra pedrinha ali…

Fui parar na Grécia, Korfu!

Esse indivíduo me deu boas vindas com olhar de âmbar!

Caminho das Pedras 8

Descalço, andei sobre as areias, pedregulhos e sobre a grama raleada pela alimentação deste montanhês grego.

Acordava muito cedo para dar a volta na ilha com uma “lambreta” alugada.

Dava para ver a divisa da Albânia com a Grécia em um dos pontos do trajeto.

A linha que separa um país do outro é vista exatamente ao término da vegetação grega e a região desértica albanesa.

Sempre parava em Paleokastritsa, praia onde costumava passar o dia.

O mar é tão claro que se vê o fundo com mais de dois metros de profundidade.

Muitos caminhos com pedras também!

Caminho das Pedras 9

Após essa pequena caminhada pelo mundo, concluí que todos nós vamos virar pó de pedra algum dia!

Daí…

Poeira Cósmica e…

Caminho das Pedras!

Caminho das Pedras 10

Em Israel também andei muito sobre pedras…

Até o Mar Morto!

Mas isso é “papo” pra outro relato!

Caminho das Pedras 11

 

 

 

 

 

 

As Meninas da Cidade

As Meninas da Cidade CAPA

As Meninas da Cidade

Boa parte da minha tenra infância morei na casa dos meus avós paternos.

Meus avós maternos moravam em frente.

Rua Marechal Deodoro em Curitiba no Paraná.

Era constante aquela geração ouvir pelo rádio Nhô Belarmino & Nhá Gabriela.

Consagrada como a dupla sertaneja mais famosa de Curitiba.

Foi o nome artístico do casal formado por Salvador Graciano e de sua esposa Júlia Alves Graciano.

Um ano antes de eu vir ao mundo, em homenagem à dupla, a Cidade de Curitiba criou a fonte Mocinhas da Cidade, localizada no centro da capital paranaense e cujo título é uma homenagem à composição de mesmo nome.

Esta canção foi gravada pela primeira vez nos anos de 1950 sendo o maior sucesso da dupla.

Daí… Veio a minha primeira década aqui na Terra!

Predominava no Brasil uma população rural, voltada ao trabalho do campo e a uma vida simples, com quase nenhuma tecnologia à disposição, com exceção de alguns raros aparelhos de rádio.

Logo que comecei frequentar o curso primário no Colégio Santa Maria, era levado por algum parente mais próximo.

Não demorou muito para que eu fosse sozinho devido à proximidade do colégio com a casa dos meus avós na esquina das ruas Marechal Deodoro e General Carneiro.

Era mais difícil ver As Meninas da Cidade, já que o colégio era só para meninos.

Lembrei-me das vestimentas dos convivas em meu aniversário no interior do Estado.

As Meninas da Cidade 1

Principalmente das mocinhas com saias abaixo dos joelhos.

Isso foi em Reserva, onde meu pai era Promotor Público.

Na foto aparece minha vó Adelaide com seu afiliado Luiz Aurélio, minha mãe Débora ao lado com meu pai Zanoni e meu avô João Quadros Gonçalves.

Na cadeirinha estava o Ricardo, quatro anos mais novo que eu, amparado por uma mocinha que atendia por Miloca… Eu acho!

O meu irmão caçula Vinicius só nasceu uns dez anos depois em Bela Vista do Paraíso.

Voltando á Curitiba, os anos 50 foram marcados por grandes avanços científicos, tecnológicos e mudanças culturais e comportamentais.

Era a década em que começaram as transmissões de televisão, provocando uma grande mudança nos meios de comunicação.

No campo da política internacional, os conflitos entre os blocos capitalista e socialista (Guerra Fria) ganhavam cada vez mais força.

A década de 1950 é conhecida como o período dos “anos dourados”.

No site SuaPesquisa.com encontrei um resumo de alguns fatos marcantes:

Principais acontecimentos dos Anos 50

Ciência e Tecnologia:

Em 1957, o Sputnik II coloca, em orbita da Terra, o primeiro ser vivo, a cadela Laika.

Em 1953, Francis Crick e James Watson apresentam a descrição da estrutura do DNA.

Criação da NASA em 20 de julho de 1958.

Comunicações:

A TV Tupi, inaugurada em setembro de 1950, é o primeiro canal de televisão da América Latina.

Lançamento do primeiro satélite, o Sputnik I (1957).

Guerras e Conflitos:

Começa a Guerra da Coreia em 25 de junho de 1950. A guerra termina em 27 de julho de 1953.

Em plena Guerra Fria é assinado, em 1955, o Pacto de Varsóvia (tratado de defesa militar que envolvia os países socialistas do leste europeu, comandados pela União Soviética).

Em 1959, ocorre a Revolução Cubana.

O líder da revolução, Fidel Castro, torna-se presidente de Cuba.

Começa, em 1959, a Guerra do Vietnã.

Em 1950, a Líbia se torna independente da Itália.

Criação do Pacto de Varsóvia, em 1955, bloco militar integrado pelos países socialistas, sob o comando da União Soviética.

Cultura e Arte:

No dia 20 de outubro de 1951, é inaugurada a I Bienal Internacional de Arte de São Paulo.

Política:

No dia 6 de fevereiro de 1952, Elizabeth II torna-se rainha da Inglaterra.

Em 24 de agosto de 1954, ocorre o suicídio do presidente do Brasil Getúlio Vargas.

Em 16 de setembro de 1955, um golpe militar na Argentina tira do poder o presidente Juan Perón.

Em outubro de 1955, Juscelino Kubitschek (JK) é eleito presidente do Brasil.

Economia:

Criação da empresa estatal Petrobrás, em 1953.

Assinado o Tratado de Roma, em 1957, estabelecendo a Comunidade Econômica Europeia (CEE).

Música:

Com muito rock e um estilo dançante, Elvis Presley começa a fazer sucesso em 1956.

O estilo musical brasileiro Bossa Nova começa a fazer sucesso.

Os maiores representantes deste movimento foram:

Tom Jobim, Vinícius de Morais e João Gilberto.

No final da década de 1950, é formada a banda de rock Beatles.

A ideia deste resgate foi assistindo uma belíssima produção da novela Êta Mundo Bom.

As Meninas da Cidade 2

Com ênfase de que na novela não faltam malandros, cafajestes e vigaristas na trama.

Mas todos eles têm algo em comum:

São lindos de morrer!

 A começar por Ernesto.

Com uma lábia infalível e um pé de valsa daqueles, o vilão conhece Filomena e a convence a fugir com ele para a capital com a promessa de se casar com a bela roceira.

Mas o mundo de Filó desaba quando os dois chegam a São Paulo.

Ernesto diz que não vai casar coisa nenhuma e praticamente obriga a moça a se tornar uma dançarina em uma espécie de cabaré.

E o pior:

Ernesto fica com a maior parte do dinheiro que ela ganha no local.

As mocinhas da cidade são bonitas e dançam bem!

Dancei uma vez com uma moreninha, já fiquei querendo bem!

Hoje conheço as meninas do interior e…

As Meninas da Cidade!

Êta Mundo Bom!

Minha homenagem á Nhô Belarmino & Nhá Gabriela.

A Sequestração

A Sequestração CAPA

A Sequestração

Invadiram o meu cérebro!

Sequestraram meus pensamentos!

Esvaziaram o meu raciocínio!

Exclamado!

Brado alto e em grande tom o meu destempero!

Exclamo sim!

É desse tamanho a “encrenca” dessa disritmia nacional!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Como o homem é produto do meio e o meio está esquizofrênico…

Da exclamação sinto piedade de mim mesmo!

Dividido em dois, minha psicopatologia sofre uma alteração no contato com a realidade!

Quando um povo, mostrando sua cara, sofre alucinações visuais, sinestésicas ou auditivas, delírios, fala desorganizada (incompreensível), catatonia e/ou sintomas depressivos…

Eu fico reticente…

Com transtorno delirante persistente!

Qual seria a medicação antipsicótica sem os receptores de dopamina?

Na exclamação e na reticência me projeto na interrogação.

?

Que país é este?

Claro que eu não desprezo o momento complicado em que vive o mundo hoje!

Não justifico os absurdos em todos os pontos cardeais para contemporizar as “porcarias” do país em que nasci!

Minha avó dizia para os netos:

“Vai defecar menino”!

Era para soltar as fezes!

Desenfezado

Até o próprio cenho desenrugava!

O Brasil está enrugado!

Acúmulo de fezes nas entranhas intestinais!

Vou continuar exclamando até quando?

Excremento acumulado exclamativo!

A culpa seria da “cultura” miscigenada da pátria amada?

Nova Ordem Mundial?

Aonde esse “comando” quer chegar?

“América Latrina” será a meta?

Invadiram o meu cérebro!

Sequestraram meus pensamentos!

Esvaziaram o meu raciocínio!

Estamos muito mais minúsculos que outros países subdesenvolvidos e ponto.

Ops!

“Rolou” um ponto.

Reticência, vírgula (ainda não tinha “rolado”), interrogação, exclamação e…

Agora um PONTO.

Claro que não é, ainda, o ponto final!

Muita água, com lama, vai rolar nessa “América Latrina”!

Ratos geralmente são como animais roedores e roem tudo, além de transmitirem doenças.

Os “mosquitos” resolveram invadir a nação.

Alguns são responsáveis pelo encolhimento da caixa craniana.

Nada funciona bem num país sucateado.

Sequestraram o nosso dinheiro!

O valor dos impostos pagos pelos brasileiros desde o primeiro dia de 2016 atingiu a marca de R$ 1,7 trilhão.

A soma seria suficiente para pagar mais de 2,1 bilhões de salários mínimos, comprar mais de 21 milhões de ambulâncias equipadas ou construir mais de 48,5 milhões de casas populares.

As coisas materiais até podem ser recuperadas em prazo menor.

Porém…

A cultura do povo lembra a escravidão cantada:

Vocês que fazem parte dessa massa,

Que passa nos projetos, do futuro.

É duro tanto ter que caminhar.

E dar muito mais, do que receber.

E ter que demonstrar sua coragem.

A margem do que possa aparecer.

E ver que toda essa engrenagem.

Já sente a ferrugem, lhe comer.

Eh, o, vida de gado.

Povo marcado, ê…

Povo feliz!

Estamos mais para “burros” e “mulas” que para gado.

A Sequestração 1

Em MAQUIAVEL PEDAGOGO de Pascal Bernardin pode-se ler na contra capa:

As técnicas de manipulação psicológica, que não se distinguem muito das técnicas de lavagem cerebral, estão sendo utilizadas de forma maciça.

Essa revolução silenciosa, antidemocrática e totalitária, quer fazer dos povos meras massas ignorantes e totalmente submissas à classe governante.

O resultado é o sequestro da cultura.

Em Pérolas do ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio pode-se avaliar a “sequestração” do cérebro, do pensamento e do raciocínio:

“O calor é a quantidade de calorias armazenadas numa unidade de tempo”.

“O Ateísmo é uma religião anônima”.

“A fé é uma graça através da qual podemos ver o que não vemos”.

“A ciência progrediu tanto que inventou ciclones como a ovelha Dolly”.

“Os dois movimentos da Terra são latitude e longitude”.

“A floresta está cheia de animais já extintos. Tem que parar de desmatar para que os animais que estão extintos possam se reproduzir e aumentarem seu número respirando um ar mais limpo”.

Daí…

Ainda temos que escutar a mandatária desta “República das Bananas” bradar em alto e “mal” tom:

“Quero dizer para vocês que, de fato, Roraima é a capital mais distante de Brasília, mas eu garanto para vocês que essa distância, para nós do Governo Federal, só existe no mapa”.

 “E aí eu me considero hoje uma roraimada, roraimada, no que prova que eu estou bem perto de vocês.”

“E aqui nós temos uma, como também os índios e os indígenas americanos têm a dele, nós temos a mandioca”.

“E aqui nós estamos comungando a mandioca com o milho”.

 “E, certamente, nós teremos uma série de outros produtos que foram essenciais para o desenvolvimento de toda a civilização humana ao longo dos séculos”.

 “Então, aqui, hoje, eu estou saudando a mandioca”.

 “Acho uma das maiores conquistas do Brasil.”

“(…) Eu acho que a importância da bola é justamente essa, o símbolo da capacidade que nos distingue como”…

“Nós somos do gênero humano, da espécie Sapiens”.

 Então, para mim essa bola é um símbolo da nossa evolução.

“Quando nós criamos uma bola dessas, nós nos transformamos em Homo sapiens ou mulheres sapiens.”

“Não vamos colocar meta”.

 “Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”.

Mas a pior foi estocar vento!

Na ONU o discurso da “representanta” da nação foi hilário:

“Até agora a energia hidrelétrica é a mais barata em termos do que ela dura da sua manutenção e também pelo fato da água ser gratuita, e da gente poder estocar”.

“O vento podia ser isso também”.

“Mas você não conseguiu ainda tecnologia para estocar vento”.

 “Então, se a contribuição dos outros países, vamos supor que seja desenvolver tecnologia que seja capaz de, na eólica, seja capaz de estocar, tenha uma forma de você estocar, porque o vento, ele é diferente em horas do dia”.

“Então vamos supor que vente mais na hora da noite”.

“Como é que eu faria para estocar isso”?

Agora, durma com um barulho desses!

Invadiram o meu cérebro!

Sequestraram meus pensamentos!

Esvaziaram o meu raciocínio!

Êta Brasilzaço!

 

Não sei… Vou pensar…

Não sei... Vou pensar... CAPA

Quizás… Talvez…

Não sei… Vou pensar…

Ando muito ocupado, e com problemas na coluna.

Talvez, vamos ver.

Quem sabe?

Pode ser.

Esta foi à resposta que um amigo muito querido me enviou quando pedi que ele fizesse algo para mim.

Luigi, cuja alcunha é Juan Campesino, formata com muita competência os meus escritos, transformando-os em revista eletrônica.

Achei a expressão tão pura e verdadeira, com a pitada certa de humor e carinho, que guardei arquivada em meu computador.

Ao receber por e-mail um vídeo maravilhoso apresentando Andrea Bocelli e Jennifer Lopez cantando e interpretando a música Quizás, eu não tive escolha melhor senão percorrer o caminho que levou ao tema proposto.

Não é de hoje que aproveito as “dicas” dessa sensível figura, Luigi para os íntimos.

Sempre sugeriu temas interessantes e sublimes.

O perigo será se ele quiser cobrar direitos autorais!

Vou arriscar!

Quanto ao casal cantante Andrea Bocelli e Jennifer Lopez eu não havia visto coisa mais linda em toda minha vida!

Simbiose de amor, vida…

Pureza d’alma!

As primeiras palavras dessa lavra foram escritas ao som e imagem, repetidas vezes, desse maravilhoso colóquio musical!

O violino…

Os bailarinos…

Tudo muito mágico!

Não precisa ter a visão para sentir aquela mão dócil e carinhosa encostando-se ao coração.

Não sei... Vou pensar... 1

Google – Andrea Bocelli e Jennifer Lopez.

O título escolhido, embora começando com a palavra negativa, é leve, lúdico e límpido!

A frase eu “Não sei… Vou pensar…”, ameniza a rispidez de um “não” definitivo.

O “sim” é perfeitamente possível também.

Na escrita do meu amigo Juan Campesino é nitidamente visível que, ao final, ele concorda com a possibilidade de aquiescer ao pleito solicitado.

Procrastinar também é cabível no contexto.

Lembrei-me que perambulei por estas paragens quando li Will Stanton na revista Seleções Reader’s Digest.

Clássico escrito em 1974.

Em “Os riscos de um procrastinador” o autor conta histórias pessoais cômicas e interessantes.

Começa com a ponderação de “Talvez seja mesmo melhor não fazer nunca o que deixamos para amanhã”.

Juntando uma coisa com a outra tive a certeza de que meu amigo Juan Campesino estava mesmo procrastinando.

Da mesma forma como é o Quizás muito bem interpretado pelo fantástico casal citado.

Desse ponto em diante…

Foi só usar um pouco de criatividade e contar situações pertinentes ao conteúdo dessa prosa.

Cheguei até pensar novamente se o Geraldo Vandré tinha ou não razão…

“Vem, vamos embora”.

“Que esperar não é saber”!

“Quem sabe faz a hora”

“Não espera acontecer.”

Mas aí é outra conversa.

É possível que sim, é possível que não.

Todavia, contudo…

Não obstante!

Não digo que sim nem que não…

Muito antes pelo contrário!

De toda sorte, isso é…

Melhor que mais ou menos!

Não sei... Vou pensar... 2

Jean Cocteau mostra outra face dessa situação.

Não houve postergação, porém, ele foi fazendo sem saber que a ação era tida como improvável de se realizar.

Senão… Quizás… Talvez…

Não sei… Vou pensar…

Ando muito ocupado, e com problemas na coluna.

Talvez, vamos ver.

Quem sabe?

Pode ser.

Pensei que eu estava perdendo tempo…

Pensando! Pensando!

E aí me dei conta de que é pensando que permaneço vivo.

Ora triste.

Ora alegre!

Quando não temos as respostas na “ponta da língua”, damos tempo ao tempo.

Maturar uma ideia, esmiuçar o raciocínio no seu tempo adequado, pode nos dar referências mais sólidas e coerentes.

Quando tomamos decisões precipitadas incorremos na possibilidade do erro com maior facilidade.

…Estás perdiendo el tiempo

Pensando, pensando

Por lo que más tú quieras…

Sempre invoco uma frase na língua alemã para justificar momentos de espera:

Alles zu seiner Zeit! – Tudo ao seu tempo!

Assim confirmamos outras afirmações do gênero:

“Dar tempo ao tempo” e por aí a fora…

Ou adentro né?

Quem sabe?

Pode ser!

Minha mulher perguntou-me se eu poderia lavar a louça aquela noite.

Amor, você lava a louça hoje”?…

“É porque fiz as unhas de tarde”!

Respondi conforme a frase já oficialmente presente em nosso dia a dia e aprendida com o amigo Juan Campesino:

Não sei… Vou pensar…

Ando muito ocupado, e com problemas na coluna.

Talvez, vamos ver.

Quem sabe?

Pode ser.

Cinco minutos depois…

A louça estava lavada…

Enxugada…

Brilhando e guardada!

Sei lá se ela resolver não me alimentar mais!

Ou colocar veneno na comida!

Ela vai me matar quando ler isso!

Quizás… Talvez…

A verdade é que existem alguns jargões que se perpetuam no decorrer do tempo.

Mal sabia o meu amigo parafraseado que o texto já havia ganhado o Universo!

Procrastinação é sugerida na letra da música Quizás tendo sido uma canção escrita em 1947, em espanhol, pelo compositor cubano Osvaldo Farrés.

Siempre que te pregunto

Qué, cuándo, cómo y dónde…

Tú siempre me respondes

Quizás, quizás, quizás…

Sempre que te pergunto

O que, quando e onde…

Você sempre me responde

Talvez, talvez, talvez…

Sem me espichar… Porque a conversa é curta…

Vou cantando Quizás, quizás, quizás…

 

Atômico

Atômico CAPA

Atômico

Embora eu não tenha sentido nenhum tremor aqui em casa, é noticiado que o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Obsis) registrou tremores causados pelo teste feito com a bomba de hidrogênio na Coreia do Norte.

O teste nuclear teve uma potência equivalente a um terremoto de magnitude 5 na escala Richter.

Ainda bem que não moro em Brasília!

A corrupção deve fazer muito mais estrago na capital do maior país da “América Latrina”!

Mas o rumo da prosa é outro.

Sempre gostei de estudar física.

Nunca esqueço que a aceleração da gravidade é uma dimensional constante de 9,8m/s².

A pequenez de um átomo mostra que se colocarmos um ao lado do outro, 10 bilhões deles cobriria apenas o espaço de 1 metro!

Em sua obra Tratado de Óptica, de 1704, Isaac Newton escreveu que o átomo era tão duro e tão elementar que nunca poderia ser quebrado em pedaços.

Como sou natural de Curitiba, capital do Paraná, não poderia deixar de citar uma proeminente figura conterrânea.

Meus avós e meus pais sempre citavam Cesare Mansueto Giulio Lattes, mais conhecido como César Lattes (Curitiba, 11 de julho de 1924 — Campinas, 8 de março de 2005).

Lattes foi um dos físicos brasileiros mais ilustres e honrados e seu trabalho foi fundamental para o desenvolvimento da física atômica.

Ele também foi um grande líder científico de física brasileira e foi uma das principais personalidades por trás da criação do importante Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Foi responsável por uma grande descoberta experimental, de uma nova partícula atômica, o méson PI (ou pion), a qual desintegra em um novo tipo de partícula, o méson mu (muon).

Foi uma grande reviravolta na ciência.

Era aceito até então que os átomos eram formados por somente três tipos de subpartículas ou partículas elementares (prótons, nêutrons e elétrons).

Atômico 1

Ele encontrou uma partícula menor que o núcleo!

Nada disso ainda era previsto no início da Primeira Guerra Mundial.

Na época em que a Alemanha estava bem desenvolvida nas ciências da Física, deve ter atrelado essa ciência à guerra.

Porém, colocando a pureza racial acima da procura pelo conhecimento, muitos cientistas da física eram judeus e, na década de 1930, com muito bom senso, acabaram encontrando refúgio no além mar.

A primeira bomba foi testada em 16 de julho de 1945 no deserto do Novo México.

Depois vieram Hiroshima e Nagasaki.

O imperador do Japão se rendeu pelo rádio!

Como relata Geoffrey Blainey em Uma Breve História do Mundo:

A existência de armas nucleares também foi um choque para a ideia de progresso humano.

A maioria das pessoas do mundo teria se sentido segura se os Estados Unidos sozinhos tivessem possuído essa arma tão superior a todas as outras.

Mas um país, a União Soviética, não se sentiu seguro e, por isso, tinha de possuir uma arma semelhante.

Finalmente, em 1949, os russos secretamente testaram sua primeira bomba atômica.

Como resposta, foi apresentada em 1951, pelo presidente Truman, uma arma ainda mais poderosa:

A Bomba de Hidrogênio!

(O negrito é meu).

Quando li a notícia no G1 MUNDO que a Coreia do Norte anunciou ter feito um teste bem-sucedido com uma miniatura de bomba de hidrogênio – a bomba H ou bomba termonuclear, que pode ser até 50 vezes mais potente que a bomba atômica, eu fiquei pensando cá com meus botões:

Teria influência de César Lattes?

Quanto menor a partícula do átomo faria a “miniatura” mais poderosa?

Atômico 2

A rosa hereditária

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A antirrosa atômica

 

MMXVI 2016

2016 CAPA

MMXVI

2016

O algarismo romano MMXVI corresponde ao número arábico 2016.

Os números já foram representados com letras!

A somatória deles que consta na grafia do ano de 2016 é:

2+0+1+6=9.

Pesquisando guematria, guemátria ou guimátria, que é o método hermenêutico de análise das palavras bíblicas somente em hebraico, atribuindo um valor numérico definido a cada letra, verifiquei que é conhecido como “numerologia judaica” e existe na Torá (Pentateuco).

Um dos exemplos da utilização da guemátria é a interpretação da palavra chai que significa vida.

Esta é composta pelas letras numéricas 10 e 8, portanto o seu valor é 18.

Esse número possui uma série de significados a partir de contas e deduções.

Por exemplo, 1 + 8 = 9.

O nove é o maior algarismo existente nesse sistema numérico.

Desta forma também é a vida do ser humano, se acha o maior de todos e capaz de alterar tudo o que existe no mundo e o controlar.

Ao mesmo tempo quando o nove é unido a qualquer outro número e aplicado a “prova dos nove” ele é incapaz de modificar a essência de um número…

Assim sendo, por exemplo, 6+9=15 sendo que 1+5=6, ou seja, a essência do número permanece.

Desta forma a vida do ser humano é supostamente poderosa, mas na prática insignificante.

Sempre brincava com minha saudosa sogra sobre fazer contas e chegar ao resultado 18!

Ela dizia que eu era o “cabalista” mais “chutador” do Universo!

Sendo assim, acho que esse ano de 2016 vai ser “meia boca”!

É o 18 (chai que significa vida) divido por dois.

Curioso e inquiridor, eu continuei minha busca referente ao final seis em épocas idas até que não muito remotas!

2006!

Na disputa presidencial, o petista Lula se reelegeu.

Nos três meses de campanha, Lula manteve o favoritismo e apostava que liquidaria fatura já no primeiro turno.

Mas às vésperas da votação, dois fatores mudaram o cenário.

Primeiro, um escândalo envolvendo integrantes da campanha petista na compra de um dossiê contra o tucano José Serra, que disputava o governo do Estado de São Paulo.

Depois, Lula não compareceu ao último debate entre os presidenciáveis como havia feito em outros encontros.

Resultado:

Alckmin cresceu nas pesquisas e levou a disputa para o segundo turno.

Na noite do dia 29 de outubro, Lula se reelegeu com 60,8% dos votos, quase 20 milhões a mais que Alckmin.

O presidente comemorou a vitória com militantes na Avenida Paulista, em São Paulo.

No seu primeiro pronunciamento depois da reeleição, prometeu mudanças na articulação política e fez previsões para a economia.

Não há necessidade de relatar a “merdaiada” que ocorreu nessa “Década Perdida”!

Agora, iniciando o ano de 2016, todo mundo sabe o que deu!

O que vai dar?

Só o “Eterno” sabe.

2016 1

Eu, particularmente, acho que neste país perdido…

Tá todo mundo “fodido”!

Pessoa física faz delação premiada!

Pessoa jurídica faz acordo de leniência!

O “molusco” com demência…

Orienta a presidência!

A Caixa Econômica leva mais de 30 horas para informar que a mega sena ACUMULOU?

Aí… Tem!

Realmente 2016 será o ano da tesoura!

2016 2

Vai ser a Dilmão de Tesoura!

Corte no orçamento da Polícia Federal em 133 milhões poderá afetar até as operações hoje priorizadas, como a Lava-Jato e a Zelotes, devido à dificuldade de pagar diárias e passagens aos policiais.

Mas isso é “café pequeno” dentro do rombo deixado no sofrível governo afeto à maior corrupção da história já vista nesse país.

Como não sou analista econômico nem político, só me resta reproduzir as falas das apedeutas:

“E eu quero adentrar pela questão da inflação e dizer a vocês que a inflação foi uma conquista desses dez últimos anos do governo do presidente Lula e do meu governo”. Presidenta do Brasil.

A presidenta Dilmão de Tesoura disse, em Bruxelas, que a crise de 2008 foi mesmo uma marolinha, ecoando frase da época do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas agregou que o processo virou uma “onda”.

“Para nós, naquele momento, foi uma marolinha, mas depois a marola se acumula e vira uma onda”, afirmou Dilmão de Tesoura, após participar da cúpula Celac-União Europeia.

“Mas sabe por que”?

“Porque o mar não serenou”, disse.

Então…

Vamos “penar” pra ver!

Deixo um recadinho da Clara Nunes para a caterva que fez o maior desmanche nacional!

Pelo curto tempo que você sumiu…

Nota-se aparentemente que você subiu…

Mas o que eu soube a seu respeito…

Entristeceu-me, ouvi dizer…

Que pra subir você desceu…

Você desceu!

Por isso não adianta estar…

No mais alto degrau da fama…

Com a moral toda enterrada na lama!

E bota lama nisso!

Vai Brasil!